Di Melo promete show dançante no Vaca Amarela

♫ Di Melo | A vida em seus métodos diz calma

8(Foto: divulgação)

O Festival Vaca Amarela está demais este ano: Céu, Boogarins, Banda Uó, Carne Doce, Flora Matos e, o imorrível pernambucano, Di Melo. Imorrível é o adjetivo que o próprio cantor se dá e foi usado para batizar o documentário sobre o artista lançado em 2011, que impulsionou seu retorno aos palcos depois de alguns anos afastado. O maior sucesso do pernambucano é seu primeiro disco, de 1975, hoje considerado uma raridade. “Achei esse álbum para vender em Amsterdã por 700 euros! Ele também aparece no fim do clipe do Black Eyed Peas [da música Don’t Stop the Party]”, conta Di por telefone, depois de se atrasar um monte para a entrevista por conta do trânsito paulistano. O atraso foi perdoado depois de mil pedidos de desculpa e diversas juras de amor. “Me apego fácil, mas se pintar marido nervoso eu me desapego também. O seu marido te trata bem? Se não tratar, me fala que te arranco dele!” Foi assim a maior parte da entrevista, rs. O festival começa nesta sexta-feira e vai até domingo. Di se apresenta no sábado e promete um show super dançante, com clássicos do disco de 75 mesclados com novas músicas. “Tenho mais de 400 músicas inéditas! Nunca parei de produzir nesse tempo”, conta o músico.

Até gravar o primeiro álbum, Di comeu o pão que o diabo amassou. Ainda em Recife, mesmo sabendo que música era tudo que ele gostava de fazer, aceitou um trabalho que o padrinho o arrumou em uma oficina. Mas como “proprietário de uma ânsia de viver”, não durou muito no serviço e logo saiu para se aventurar pela Rádio Capibaribe, de Recife. “Tudo que é arte me conquista, sou apegado. Faria tudo de novo”, diz, mesmo que todas as dificuldades. “Teve um momento que cheguei a me desinteressar. Estava tocando com o Vando e com o Jair Rodrigues e eles vendiam mais do que banana na feira, mas minha parte da grana era muito pequena. Aí comecei a me boicotar”, revela. Na época, Di morava em São Paulo, mas sentiu falta da praia e da maresia e voltou para trás. Fez bem! Foi no Recife Antigo que encontrou, por acaso, Jorge Ben Jor, que o colocou em contato com Roberto Colossi, ninguém menos que o empresário de figuras como Paulinho da Viola, Chico Buarque, Wilson Simonal e Jô Soares. Não demorou muito para que Di fosse contratado pela gravadora EMI, que lançou seu maior sucesso, o disco de 75.

Kilariô, A vida em seus métodos diz calma, Pernalonga e Se o mundo acabasse em mel são algumas das músicas do famoso álbum que fazem parte da setlist do show de sábado. Uma coisa legal é que Di vem sozinho e vai tocar ao lado de uma banda daqui 🙂 A base é o Dom Casamata com o tecladista do Chimpanzés de Gaveta (Adriano Zago), DJ Daniel de Melo e um naipe de metais. “Meu nome é trabalho e sobrenome é hora extra”, enfatiza Di. Com tanta dedicação assim, acho que vai ser massa! Bora lá?

Festival Vaca Amarela
Dias 12, 13 e 14
Jaó Music Hall
Ingressos: R$ 20/dia ou R$ 45 o passaporte
Programação musical completa:
12/09 (Sexta)

01:00 Céu(SP)
00:00 Boogarins
23:30 Banda Uó
23:00 Shotgun Wives
22:30 Catavento(RS)
22:00 Carne Doce
21:30 Maglore(BA)
21:00 Tonto
20:30 Rios Voadores (DF)
20:00 Bruna Mendez
19:30 Fernando Manso
19:00 Lust For Sexxx
18:30 The Crooked Lines
18:00 Gutto Sansaloni
13/09 – (Sábado)

01:00 Flora Matos
00:00 Overfuzz
23:30 Di Melo, O Imorrível (PE)
23:00 Passarinhos do Cerrado
22:30 Calango Nego
22:00 Far From Alaska (RN)
21:30 Beavers
21:00 The Ander´s
20:30 Hell Oh! (RJ)
20:00 Boca Seca
19:30 Bang bang Babies
19:00 Mad Matters
18:30 Oblongs (Trindade)
18:00 Caffeine Lullabies
17:30 The Galo Power
17:00 Tati Ribeiro
16:30 La Morsa (Anápolis)
16:00 Components
14/09 – Domingo

23:00 Criolo(SP)
22:30 Kamura
22:00 MUGO
21:30 Aurora Rules
21:00 Haikaiss(SP)
20:30 Dogman
20:00 Faroeste
19:30 Patrick Horla
19:00 Girlie Hell
18:30 Monster Coyote(RN)
18:00 Cherry Devil
17:30 Sã Consciencia
17:00 Entre os dentes
16:30 Impeto
16:00 OFF 1984
15:30 Distorce
15:00 Volúpia de Baco

Advertisements