Da graça de Milão

♫ Wild Belle | Giving up on you (Ticklah Remix)

IMG_1681

Andando pelas ruas modernas milanesas, sentia falta do esplendor antigo que outras cidades italianas têm. “Milão não é Itália”, me disseram mais de uma vez e pude comprovar a teoria. Realmente, não tem o charme das ruínas, nem as cantininhas baratas onde se acha um prato de espaguete delicioso por quatro euros, não tem a latinidade descontraída do restante do país. À primeira vista, não houve amor da minha parte. Achei que seria um encontro fracassado com a cidade: não achei bonita, achei superficial com sua super-valorização do mundo fashion (realmente, todo mundo por lá parece trabalhar em alguma marca famosa), achei as pessoas frias e a comida ruim. Mas bastou um pouco de paciência da minha parte para começar a gostar do lugar, que é cheio de detalhes especiais, especialmente se você é do tipo de viajante rato de museu.
Pra começar, se você for ficar um número razoável de dias por lá, considere comprar 10 tickets de ônibus/metrô de uma vez, porque sai mais barato. O sistema de transporte é bem eficiente: uma passagem custa 1,50 euro, vale para todos os tipos de locomoção coletiva (inclusive os bondinhos que passam pelo centro) e você pode usar o mesmo ticket diversas vezes por um período de 90 minutos. Então, se você se hospedar mais longe do centro, você pode pegar um ônibus até a estação de metrô mais próxima e depois pegar os bondinhos do miolo histórico pagando apenas 1,50. Achei demais. O centro histórico, entretanto, é bastante pequeno. Dá pra fazer tudo à pé, deixando a confusão de ruas cuverlíneas guiar seu olhar curioso. Porque o melhor de Milão é se perder por Milão, rsrs.
IMG_1793
Chegando pelas estações de trem Porta Garibaldi ou Milano Centrale, dá para chegar a qualquer parte da cidade com esse sistema de passe único. Há metrô nas duas. Chegando pelo aeroporto de Malpensa, você pode pegar o trem que leva até o centro e, de lá, pegar o metrô. Custa 12 euros. Sobre hospedagens, sempre recomendo o Air B&B. Para mim, difícil achar algo com melhor custo-benefício.
Agora, dicas boas que garimpei por lá:
❤ Museus – Poucas cidades me encantaram tanto pelos museus. Claro que Londres tem instituições incríveis, Paris, então, nem se fale… Madrid também é muito amor, mas os museus de Milão tem uma beleza muito singela e, ao mesmo tempo, avassaladora. Isso porque a maioria deles funcionam em palácios antigos, com escadas labirínticas, janelas gigantes, vistas para parques, pé direito alto, paredes de pedras, colunas, varandas, plantas… É um lugar em que arte e arquitetura realmente se completam ali, lindo demais. Além disso, são mestres italianos, né. Caravaggio ali, de boa, de frente para uma biblioteca centenária conservada dentro do museu. Visitei quatro e recomendo todos, sem ordem de preferência:
  • Pinacoteca Ambrosiana – onde tem esse Caravaggio na biblioteca centenária, Ticiano, Botticelli, Pinturicchio, Jan Brueghel, Tintoretto e por aí vai.
  • Museo del Novecento: mais moderno, focado nas vanguardas do início do século XX. Tem Picasso, Morandi, Matisse, Futuristas de montão, Braque, de Chirico e de Pisis. O prédio fica de frente para o Duomo e a vista é de suspirar.
  • Galeria d’Arte Moderna:   fica de frente para o Jardim Público Indro Montanelli, outro passeio sensacional. A galeria conta principalmente com coleções particulares que foram doadas a ela e que possuem obras super interessantes. Você vai encontrar obras de artistas italianos do século XX não tão conhecidos fora da Itália, o que faz do lugar ainda mais especial.
  • Pinacoteca di Brera: ah, como é linda… O prédio é arrebatador, com suas escadas de pedra e varandas arejadas. No lugar também funciona a Academia di Brera, com cursos de artes, inclusive cursos de restauração. Pelo museu, é possível ver obras sendo restauradas e alunos atentos anotando tudo.
IMG_1684
❤ Brera – e falando da Pinacoteca, aproveite para conhecer o bairro que é um charme à parte. A Via Fiori Chiari, logo acima do museu, é uma viela de paralelepídos cheia de restaurantes lindos e sorveteria gostosa. Mesmo se tiver no frio do inverno, não deixe de tomar uma casquinha da sorveteria natural artesanal Amorino. O Orto Botanico di Brera é um refúgio do cinza da cidade. O jardim usado para estudos universitários é aberto para visitação gratuita e é um descanso para a mente. Se jogar no meio do verde é sempre bom 🙂
❤ Centro histórico – a praça do Duomo é realmente incrível. Eu não gosto muito de esperar horas na fila para entrar em igrejas pagando uma taxa exagerada, mas se for a sua, acho que vale a pena. Aparentemente a vista é linda. Mas a vista é linda da frente da igreja também ahahaha. De lá, uma caminhada pela Galeria Vittorio Emanuele II é quase que obrigatória. Está ali do lado e é uma passagem única, com pé direito alto, afrescos no teto, restaurantes e lojas finos… Tudo meio caro… Mas achei um restaurantezinho mais em conta ali do lado: Le Spighe Cafè, na Via Giuseppe Verdi. Comi um carbonara por 6 euros.
IMG_1766
❤ Café-da-manhã no Pavè (Via Felice Casati) – confeitaria/restaurante decorado como se fosse uma casa de vó, com sofás, mesas coletivas e muitos quitutes. Eles servem panetone o ano inteiro. Acho que não preciso dar mais motivos para ir, rsrs.
❤ Navigli – estava evitando ir a essa região que ouvi falar que era a melhor, às margens do canal, cheia de bares e restaurantes. Achei que seria turística demais e dei de ombros. Mas no meu último dia resolvi dar uma chance e me arrependi de não ter ido antes. É realmente uma das melhores regiões. O canal é um charme, os bares são acessíveis e os restaurantes são sensacionais sem te cobrar um rim por isso. Na minha última noite, resolvi me levar para um jantar romântico comigo mesma e fui ao Bela Riva. Pedi uma massa com camarões que pareciam lagostas de tão grandes e alcachofra. Foi uma das melhores coisas que já comi na vida, rs. Para chegar lá, saia na estação Porta Genova (linha verde), caminhe pela Via Vigevano até a Corsico, que vai morrer no canal.
IMG_1861
Depois de tudo isso, impossível não mudar de ideia com relação à primeira impressão desapontada que a cidade causou. Milão pode ser bem legal 🙂
Advertisements