o dia em que virei caruruzeira (ou: receita de acarajé)

♫ Os Tincoãs | Ogundê

acarajé

Dias desses, cheguei como quem não quer nada na casa de dois amigos meus, que me receberam com avental de chita, turbante no cabelo, blusa da Clara Nunes e Caymmi tocando na sala. Na cozinha, camarões secos, feijão fradinho, litros e litros de dendê e mais um monte de ingredientes que fariam parte do ritual do acarajé. Digo ritual porque olha… Que coisinha mais difícil e demorada de ser feita! Mas já chego lá. Primeiro é importante dizer que quase caí para trás quando, de repente, me vi na Bahia. Ê terra boa… Ê saudade… Bahia faz muito parte da minha vida, seja pelas lembranças de férias em família; seja pela comida que emplaca fácil umas 10 receitas na minha lista de preferências (desde suco de cacau a moqueca de frutos do mar… ai, deu fome); seja pela música que, quando ouço, bate lá no fundo do coração. Caetano, Bethânia, Gal, João Gilberto, Tom Zé, Gil, Clara… são tantos os nomes… e não posso me esquecer também de Olodum e Timbalada porque ninguém é de ferro, rsrs.

Amo a Bahia! Amo o interior vasto, quente, imenso. Amo cruzar o estado de carro, esperar ansiosamente o mar aparecer no horizonte, parar nas cidadezinhas para comprar quitutes baianos. Ê, Bahia! Como é linda. Você pode imaginar então a minha felicidade quando fiquei sabendo que, naquela noite, ia rolar acarajé caseiro! Soltei fogos de artifício, mas só antes de perceber armadilha que me aguardava.

Olha só: acarajé é demorado, cheio de etapas e particularidades. Nunca mais reclamo de pagar R$ 10 no acarajé da feira. Deveria custar R$ 50. Chico, o responsável pela noite do acarajé, disse que ele foi motivo de chacota quando falou que faria acarajé. “Só baiana de acarajé faz acarajé! Nenhum baiano faz acarajé em casa!”. Mas ele não se deixou derrubar, pelo contrário. Era um motivo de honra terminar. Durou dois dias a receita, porque na primeira noite, gastamos todas as energias descascando feijão fradinho, rs. Demoramos para descobrir uma técnica que facilitasse a tarefa, mas da metade pro fim, fluiu melhor. Recomendamos deixar de molho na água algumas horas e depois esfregar entre as mãos para soltar a pele. Daí você pega uma peneira e pesca as casquinhas que vão boiar. Pronto. Agora você pode realmente começar a fazer seu acarajé. Se liga na receita:

Massa
500g de feijão fradinho
500g de cebola (mas achamos que pode ser menos…)
2 litros de dendê para fritar

Descasque o feijão e bata tudo no processador, mas não bate muito não! Se não fica a massa fica aguada e não dá certo. Ela tem que ficar mais consistente. Depois coloque as bolinhas para fritar no óleo de dendê.

Vatapá
500g de camarão seco
1 litro de leite de coco
150g de amendoim torrado sem pele
150g de castanha de caju
coentro
2 xícaras de dendê
10 pães franceses umidecidos
1 pedacinho de gengibre

Primeiro: dessalgue o camarão! Deixa de molho lá na água, esqueça de um dia para o outro. Não dessalgamos e tivemos um pequeno (grande) probleminha com o sal, mas deu certo no fim. Depois tire a cabeça dos camarões e bata tudo no processador: os camarões, as castanhas, o pão, leite de coco… bata tudo e depois jogue na panela com o dendê e refogue. Mexa por 20 minutos sem parar (haja braço!).

Caruru
100 quiabos (receita da Bethânia… rsrs.)
1 cebola
alho
gengibre ralado a gosto
500g de camarão moído
200g de castanha de caju moída
1 xícara de chá de dendê
suco de 1 limão
água quente

Pique o quiabo em rodelas. Aqueça o dendê e refogue a cebola e o alho. Acrescente o gengibre e o quiabo. Deixe refogar. Depois acrescente o camarão, as castanhas e deixe refogar mais um pouco. Adicione a água até cobrir. Deixe cozinhar até a semente do quiabo ficar rosada. O limão você usa para controlar a baba do quiabo (achei sensacional!). Vai colocando o limão aos poucos durante o cozimento.

Agora é só abrir o bolinho de acarajé, colocar o vatapá, o caruru e morrer de amores! O ideal seria colocar uma saladinha de tomate também, mas a receita foi tão cheia de percalços que desistimos. Mas fique à vontade!

P.S.: Não rolou foto do acarajé pronto porque a cozinha ficou um caos e porque estávamos todos famintos depois de horas no fogão. Não sobrou acarajé para contar história, rs.

Presente de Natal: receita secreta da vovó!

♫ The Waitresses | Christmas Wrapping

Então é Natal!!! Êeeee!!!! Por mais que meu espírito natalino demore a baixar algumas vezes, nunca consigo ficar totalmente apática com a época. Mais do que os enfeites, corais, presentes etc., o que mais conquista em dezembro são as comidas feitas só e somente só nesse mês. Para mim, Natal começa quando compro uvinha niagra ❤ Daí em diante é pêssego, nectarina, castanha, cereja fresquinha… nhami! E por mais que o Natal tenha suas tradições de sempre, acho que cada família tem seu próprio costume natalino, não é? Por exemplo, aqui em casa, nossa tradição é fazer um café-da-manhã dos mais gostosos, com biscoitinho de queijo assado na hora, mil frutas, suco de laranja fresco feito por moi (beijinho no ombro!), vários quitutes e, claro, o rei da parada: o bolo formigueiro da vovó! Olha, te falar que já rolou briga por conta dele – e não foi só uma vez, rs. Não sei se ele é bom mesmo naturalmente ou se é a mãozinha da vovó que faz ele ficar tão irresistível. Esse post é uma experiência! Vovó cedeu a receita secreta (vivaaaa!). Façam vocês aí em casa e depois me mandem um email dizendo se realmente ficou tão maravilhoso assim 😉 Chegou a hora de eu saber se os dedinhos da vovó são mágicos mesmo ou quá. Acho que não poderia dar melhor presente para vocês. Feliz Natal!!!!

DSC03180

(Vovó lindona e sua masterpiece)

Massa:
4 ovos
1 pitada de sal
2 xícaras de chá de açúcar refinado
2 xícaras de chá de farinha de trigo
1 copo americano bem cheio de leite
200 gramas de margarina
100 gramas de coco ralado
200 gramas de chocolate granulado
1 colher de sopa de fermento

Bata tudo, coloque em uma forma untada e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC.

Calda:
1 lata de creme de leite
3 colheres de sopa de açúcar refinado
3 colheres de sopa de chocolate em pó
1 colher de sopa de manteiga

Leve tudo ao fogo até engrossar (mexa sempre). Coloque sobre o bolo ainda quente e decore com chocolate granulado.

DSC03184

P.S.: No livrinho da vovó, a data dessa receita é de 1981. Eu nem era nascida ainda, rs. Tradição é isso ❤

para balanço emocional (ou receita de lasanha vegetariana)

♫ Letuce | Cataploft

DSC02431

Quando o coração aperta e o dia fica nublado lá fora (mesmo que o termômetro beire os 40ºC), nada melhor do que ir para a cozinha e preparar uma lasanha. A culinária italiana tem esse hábito se servir de consolo nos dias mais difíceis. Uma garfada de massa equivale a um abraço apertado e votos de que vai ficar tudo bem. Essa receita é do Caio e virou a minha preferida: lasanha vegetariana. Para os que gostam de carne, não torçam o nariz. Vá com a cabeça aberta e experimente. Aposto que nem vai sentir falta da proteína. Molho bem temperado e bastante queijo é o segredo. Acho que amanhã o dia amanhece melhor.

Ingredientes:

Molho:
1 lata de tomate pelado
1/2 lata de extrato de tomate
azeite
2 dentes de alho
orégano
sal e pimenta

Recheio:
Massa para lasanha
2 berinjelas
2 abobrinhas
mussarela a gosto

Pré-aqueça o forno a 180º. Pique a berinjela e abobrinha em rodelas, tempere com sal e pimenta e reserve. Pique o alho e refogue no azeite. Quando estiver dourando, acrescente o tomate pelado picado com o suco que vem junto e o extrato. Mexa bem e tempere com sal, pimenta e orégano. Está tudo pronto! Agora é só brincar de quebra-cabeça e montar a lasanha do jeito que preferir em uma travessa com azeite. Eu gosto de fazer uma camada de massa, depois molho, depois berinjela, molho, queijo, molho, abobrinha, molho, massa, queijo… É importante só colocar molho entre uma camada e outra. De resto, a ordem não é importante. Gosto de terminar com bastante queijo em cima e decorar com orégano. Deixo no forno por meia-hora com papel alumínio e mais 10 minutos sem o papel para dar aquela douradinha final. Se quiser acrescentar uma camada de espinafre ou folha de mostarda, também fica delícia 🙂

e no 10º dia ela descansou (ou receita de spaghetti com molho de gorgonzola e brócolis)

♫ Vinícius de Moraes | Samba da Bênção

DSC02571

Fazia tempo que eu não ficava em Goiânia durante as férias. Ansiosa do jeito que sou, costumo planejar e programar viagens com meses de antecedência, por isso já marco minhas férias para o período mais propício para aquele passeio que quero fazer e geralmente já caio na estrada no primeiro dia de folga, vontando só no último. Apesar de ser a coisa que mais gosto de fazer na vida, viajar cansa e decidi aproveitar essas férias em casa para dar uma relaxada. As coisas, contudo, não saíram bem como planejado, rs.

Essa vida é cheia de surpresas. De repende me vi pegando freelas, agendando reunião, trabalhando em outras coisas e ainda por cima cuidando da minha hóspede especial que veio de Londres meio que em cima da hora e se alojou aqui em casa durante uma semana ❤ Apesar de gostar de toda essa correria, decidi que o último dia de férias seria finalmente e exclusivamente para fazer nada. Coloquei os pés para cima, desliguei o celular, liguei o Netflix e pronto. Minhas férias estavam se encerrando muito bem! O máximo que fiz foi ir para a cozinha, mas para preparar uma receita super rápida e que ajuda a compor o quadro de relaxamento, rs. Nada melhor que macarrão para acalmar a mente.

Ingredientes:
Spaghetti ou outra massa a sua escolha
uma lata de creme de leite
um pedaço médio de gorgonzola
meio punhado de brócolis
uma colher de sopa de manteiga
sal e pimenta

Coloque a massa na água fervente com sal e azeite. Pique o brócolis bem picadinho e refogue na manteiga. Tempere com sal e pimenta e reserve. Na mesma panela, coloque o creme de leite e o gorgonzola bem picadinho também para derreter mais rápido. Mexa em fogo médio até ficar uma mistura homogênea. Acrescente o brócolis, escorra a massa e misture.

Encerrei minhas férias com chave de ouro 🙂

cookies da celebração

♫ Earth, Wind & Fire – September

Estou de fééééééérias!!! É muita felicidade para uma pessoa só. E olha que eu nem tenho nenhuma viagem sensacional programada. Dessa vez, como minha mãe está vindo nos visitar, vou ficar por aqui mesmo. Vou aproveitar para – além de matar a saudade dela, claro – colocar algumas coisas em ordem, estudar um pouco e curtir Goiânia. Me coloquei o desafio de fazer pelo menos um programa legal por dia de férias, mesmo que simples. Vou relatar tudo aqui a partir do próximo post e mostrar que existe, sim, muita coisa para se fazer na cidade.

E para comemorar meu último dia de trabalho (ou melhor, última manhã de trabalho), cheguei em casa, peguei meu caderninho de receitas, botei a mão na massa e fiz um dos quitutes mais festivos que existem (pelo menos aqui em casa): cookies. É só falar na palavra que já vejo uns sorrisos se abrindo. E o melhor de tudo é que é muito simples e rápido de fazer. Se liga:

Ingredientes:
125g de manteiga
1/2 xícara de açúcas mascavo
3/4 de xícara de açúcar branco
1 colher de chá de essência de baunilha
1 ovo
1 e 3/4 de xícara de farinha de trigo
1/2 colher de chá de fermento em pó
300g de chocolate meio amargo*

*Pode substituit por castanhas, raspas de limão, uva passa ou o que mais lhe agradar 🙂

Pré-aqueça o forno a 180º. Misture primeiro os açúcares, a manteiga e a baunilha até virar um creme. Acrescente o ovo. Peneire a farinha e o fermento e adicione à massa aos poucos. Bata bem até ficar homogêneo. Acrescente o chocolate picadinho e mexa até ficar bem distribuído. Coloque bolinhas da massa (eu gosto de colocar a medida de uma colher de sopa cheia) em uma forma untada com mateiga e farinha. Leve ao forno por rápidos 15 minutos. Quando tirar do forno, a massa ainda estará um pouco mole, mas deixe esfriar que vai ficar no ponto. Aí é só se jogar! Ainda bem que a receita é light!

**Pela medida que uso, rende aproximadamente 10 unidades grandes.

cookies1

cookies2

cookies3

cookies4

cookies5

cookies6

cookies7

daal de lentilha

♫ Paul McCartney | Junk

daal de lentilha

Fiz essa sopa para minha amiga Nádia Junqueira e ela gostou tanto que até rapou o prato (coisa rara de se ver porque ela nunca come nada até o fim). Nadinha pediu a receita, mas ao invés de passar só para ela, achei bom postar aqui e mostrar para mais pessoas essa maravilha. A autoria é do Jamie Oliver – só para variar, rs – e é uma ótima opção vegetariana ❤ para dias de frio. Só tem uma exigência: precisa de processador 😦 Para quem não tem, de duas uma: invista em um (é muita qualidade de vida) ou tente fazer em um liquidificador (acho que pode dar certo! Depois me fale se rolou!).

Ingredientes:
1 cebola (não usei porque aqui em casa há pessoas que não gostam)
1 dente de alho
5 cm de gengibre
1-2 pimentas vermelhas frescas
1 pimentão vermelho
um maço grande de coentro
óleo de canola
um maço de folhas frescas de curry (opcional) (também não usei porque não sei onde acha isso)
1 colher de chá de cúrcuma
1 colher de chá de sementes de feno-grego (acha no Casarão)
1 colher de chá de sementes de mostarda
300g de lentilha vermelha seca partida (whatever. Usei a normal. Dei uma cozida nela antes)
400 ml de leite de coco
200g de espinafre

Coloque no processador a cebola, o alho, gengibre, pimenta vermelha, pimentão sem sementes, talos de coentro e uma pitada de sal e pimenta. Processe até obter uma mistura homogênea. Coloque em uma caçarola 1 colher de sopa de óleo de canola, as folhas de curry, a cúrcuma, feno-grego e as sementes de mostarda. Mexa bem. Adicione os vegetais processados e refogue por cerca de 2 minutos. Adicione a lentilha, 700 ml de água fervente e o leite de coco. Tampe e deixe ferver, mexendo regularmente. Quando pronto, acrescente as folhas do espinafre e mexa.

salpicão revisitado

♫ Lucas Santtana | É sempre bom se lembrar

IMG_0623Vi a Rita Lobo fazer essa receita no programa dela uma vez (sim, sou viciada em programas culinários) e nunca mais saiu da minha cabeça. Fiz uma noite para amigos e foi sucesso geral – não sobrou um pedacinho de frango para contar história. Desde então, faço com frequência aqui em casa. E quando demoro muito para fazer de novo, ouço reclamação, rs. Por isso, pense bem antes de fazer! Acho que você nunca mais terá sossego.

Frango:
2 dentes de alho amassados com sal
2 peitos de frango
2 sobrecoxas

Pré-aqueça o forno a 180º. Tempere o frango com o alho, passando a pasta por debaixo da pele, e acomode-o em uma travessa. Jogue uma xícara de vinho branco na forma e deixe assar por 1h20 com papel alumínio. Depois tire o papel e deixe por mais 10 minutinhos. Quando pronto, desfie a carne com cuidado para não deixar passar nenhuma pele ou ossinho. Se quiser que renda mais, desfie bem; se quiser que fique mais saboroso, deixe pedaços maiores 😉

Molho:
2 embalagens de yogurte natural
1/4 de xícara de azeite
1 col. sopa de curry
sal

Misture tudo e reserve.

Outras delícias:
2 talos de salsão fatiados bem finos
1/3 de xícara de uva passa hidratada com 2 col. sopa do caldo do frango (que sobrou na forma!)
salsinha picada
1 limão
2 maçãs cortadas em tiras finas
nozes para salpicar (opcional)

Coloque o frango desfiado em uma tigela e jogue por cima o restante do caldo que sobrou na forma. Acrescente o salsão, a uva passa, salsinha picada, suco do limão, maças e, por último, o molho. Finalize com as nozes.

Caio pedindo para eu fazer o salpicão esta semana aqui em casa em 3, 2, 1…